Marcha da Maconha – Brasil 2008 » Blog Archive » Jefferson Perez e a legalização das drogas

0
  • Rubens Prata fala:
    May 3rd, 2008 at 2:41 pm

    É preciso ter muito cuidado e responsabilidade para opinar sobre esse assunto. Pois não se pode passar uma imagem de idiota ou alienado uma pessoas que quer liberar o uso da Canabis, numa sociedade que quer se livrar dela a decadas e não consegue nada mais do que cadaveres…!!! SIM, É PRECISO MUDAR O CODIGO PENAL E OS METODOS DE CONTROLE DO USO DE DROGAS. Educar é muito melhor que punir…. Aprender com REALISMO para que servem algumas drogas.. Apesar de ser usuario a 27 anos, com muita saúde, tenho medo que issa campanha nivele por baixo o nivel de consciencia dos “Maconheiros”. PARA MIM A CANABIS ABRIU A MENTE E OS OLHOS DO ESPIRITO, AFINOU MINHA SENSIBILIDADE ARTISTICA E INTELECTUAL. SINCERAMENTE ME SINTO MUITO MAIS REALIZADO DEVE SER DIFICIL PARA ALGUEM DE FORA, ENTENDER OU AVALIARA IMPORTANCIA DISSO. O mundo e a Natureza tem ainda muito misterios a serem desvelados e as plantas medicinais, (como é o caso da Canabis) são um UNIVERSO A PARTE.

    MUITO DESCONHECIDO AINDA PELA ENORME MAIORIA, QUE PREFERE IGNORAR…..

  • Fernando fala:
    May 4th, 2008 at 2:25 pm

    Se fosse usado o nome “Marcha pela legalização das drogas”, ou “Marcha contra o narcotráfico”, eu até participaria. E foi exatamente sobre o fim do narcotráfico que discursou o Jefferson Perez. Mas fica claro que muitos dos que escrevem nesse fórum não sabem nem o que estão dizendo, nem do que se trata…querem saber de enfiar o baseado na boca e sair falando: “legalize it!”. Ficam tentando justificar o uso com as “curas milagrosas” que a erva proporciona, que faz bem pra pele, pra dor, câncer (só pra avisar: é o ÓLEO da cannabis que cura o câncer – o fumo por sua vez, é altamente cancerígeno). Esperam que a sociedade lhes passe a mão na cabeça como perdão, mas nem sabem o que está escrito na Lei 11.343/06. Então vamos começar:

    “Art. 2o Ficam proibidas, em todo o território nacional, as drogas, bem como o plantio, a cultura, a colheita e a exploração de vegetais e substratos dos quais possam ser extraídas ou produzidas drogas, ressalvada a hipótese de autorização legal ou regulamentar, bem como o que estabelece a Convenção de Viena, das Nações Unidas, sobre Substâncias Psicotrópicas, de 1971, a respeito de plantas de uso estritamente ritualístico-religioso.
    Parágrafo único. Pode a União autorizar o plantio, a cultura e a colheita dos vegetais referidos no caput deste artigo, exclusivamente para fins medicinais ou científicos, em local e prazo predeterminados, mediante fiscalização, respeitadas as ressalvas supramencionadas.”

    AGORA AO QUE LHES INTERESSA:

    CAPÍTULO III

    DOS CRIMES E DAS PENAS

    Art. 27. As penas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo, ouvidos o Ministério Público e o defensor.

    Art. 28. Quem adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou trouxer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar SERÁ SUBMETIDO ÀS SEGUINTES PENAS:

    I – ADVERTÊNCIA sobre os efeitos das drogas;

    II – prestação de serviços à comunidade;

    III – medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo.

    §1º Às mesmas medidas submete-se quem, para seu consumo pessoal, semeia, cultiva ou colhe plantas destinadas à preparação de pequena quantidade de substância ou produto capaz de causar dependência física ou psíquica.

    §2º Para determinar se a droga destinava-se a consumo pessoal, o juiz atenderá à natureza e à quantidade da substância apreendida, ao local e às condições em que se desenvolveu a ação, às circunstâncias sociais e pessoais, bem como à conduta e aos antecedentes do agente.

    §3º As penas previstas nos incisos II e III do caput deste artigo serão aplicadas pelo prazo máximo de 5 (cinco) meses.

    §4º Em caso de reincidência, as penas previstas nos incisos II e III do caput deste artigo serão aplicadas pelo prazo máximo de 10 (dez) meses.

    §5º A prestação de serviços à comunidade será cumprida em programas comunitários, entidades educacionais ou assistenciais, hospitais, estabelecimentos congêneres, públicos ou privados sem fins lucrativos, que se ocupem, preferencialmente, da prevenção do consumo ou da recuperação de usuários e dependentes de drogas.

    §6º Para garantia do cumprimento das medidas educativas a que se refere o caput, nos incisos I, II e III, a que injustificadamente se recuse o agente, poderá o juiz submetê-lo, sucessivamente a:

    I – admoestação verbal;

    II – multa.

    §7º O juiz determinará ao Poder Público que coloque à disposição do infrator, GRATUITAMENTE, estabelecimento de saúde, preferencialmente ambulatorial, para tratamento especializado.

    Então MACONHISTAS (essa foi a pior…é chamar de maconheiro, mas sem ofensa…KKK), é muito simples: podem se entupir de maconha, cocaína, ou seja lá o que for. O máximo que vai acontecer é: levarem uma advertência, prestarem serviços à comunidade, ou serem submetidos a um programa ou curso educativo! E antes que questionem: essas 3 penas são obrigatórias ao Estado, porque é DEVER CONSTITUCIONAL do Estado cuidar da saúde e educação dos seus cidadãos. Ou seja: o Estado não lhes pode legalizar a droga, e virar as costas.

    Francamente…com esse tipo de penas para os usuários, tão reclamando do quê… teve um que se entitulou MACONHISTA. Vai cuidar dos passarinhos, mermão…60 anos nas costas e querendo dar uma de maconheiro consciente, ou politicamente correto…

  • Fenix fala:
    May 4th, 2008 at 3:24 pm

    FERNANDÃO….. que é isso, estudastes direito, não passou no curso da OAB, ou é umais um adEvogado bêbado, frustrado, pelas limitações que a vida lhe impôs, sabe…, leis são atualizadas de tempos em tempos conforme a evolução natural das coisas, és filho coroné ou de militar das antigas, sem instrução, agraciado com patentes adquiridas atravéz de benesses????i
    Pense em ti, reze por ti, chore por ti…….

  • roberto fala:
    May 4th, 2008 at 3:55 pm

    Fernandinho (xará de um outro nefasto…) você conhece bem as leis… só copia e cola ou decorou mesmo? Então me responda: Quem decidiu proibir? Porque? Como era antes? O mundo melhorou depois que proibiram o consumo da cannabis? essa erva é utilizada pelo homem desde sempre, sabe porque proibiram? (eu sei, mas não vou te dizer, pode copiar e colar porque a resposta está aqui mesmo num post desse forum). Tenho 46 anos, fumo desde os 16, e tive minha vida destruida pelo consumo do ÀLCOOL que tem seu uso INCENTIVADO por PUBLICIDADE, E PROGRAMAS DE TV (NOVELAS, ETC…). Parei à tempo de resgatar minha vida e minha saúde e não mais encostarei um copo de bebida alcoólica em minha boca, porque vi o quanto mal o consumo de ÁLCOOL me causou (sim, álcool, o mesmo que o padre bebe na missa), mas continuo fumando um porque a cannabis NÃO ALTERA MINHA PERSONALIDADE, NÃO ME CAUSA MAL ESTAR POR ABSTINÊNCIA, NÃO DÁ RESSACA, NÃO ALTERA MEUS REFLEXOS, NÃO ME CAUSA AMNÉSIA, CIRROSE, ETC. Seus únicos efeitos colaterais é uma vontade danada de namorar minha mulher e fome quando o efeito passa. Fumo repito desde os 16 anos e estou treinando pra correr a São Silvestre esse ano, e aproveito pra convidar à todos fumantes tabagistas e cachaceiros a ver se me alcançam.

    Fernando, olhe menos pras leis e observe a vida.

  • Fernando fala:
    May 4th, 2008 at 5:28 pm

    PACIFISTA: Não fui o primeiro a rotular os usuários como “maconheiro”. Mas MACONHISTA é demais, ou não? Enfim…me parece que você entendeu o que eu quis dizer. Como eu disse: essa marcha é mal-organizada, porque a maioria tem se mostrado a favor da marcha supondo que ela é a favor da “liberação do consumo da maconha”. O uso, digamos, “não é proibido”, como está na lei, há só penalidades, que convenhamos, são mais do que coerentes. Há que se liberar a produção e o comércio de drogas e entorpecentes, seja lá pra que fim for. Só isso vai acabar com o tráfico, que é o grande X da questão.

    Robertinho, caso não tenha se dado conta: você também é xará de um outro nefasto. E apesar de sua experiência, não entendeu meu comentário. Copiei e colei, sim, já que ninguém aqui falou um “a” sobre a lei, porque sequer se deu ao trabalho de clicar no link na página inicial da marcha. Divido com você a opinião sobre o álcool, e não tenho nada contra quem fuma, cheira, bebe…cada um faz o que quer da vida. A erva é utilizada pelo homem desde sempre, assim como o álcool, as armas…mas não é isso que interessa. Mas a meu ver, não há que ficar justificando o consumo de drogas, ou de álcool, se preferir… todo mundo sabe que fazem mal, ou bem, em alguns casos. Temos sim que exigir o fim do tráfico, da violência… enfim…

    Fênix: A ofensa é o argumento dos ignorantes. Eu tento me informar sobre as coisas, até pra poder debater, diferente de você, que só entrou aqui pra ofender as pessoas, e não falou absolutamente nada construtivo. Rezo, mas por ti, pra que deixe de praticar a cultura depreciativa.

    Se alguém mais se sentiu ofendido, me desculpe, não foi a intenção.
    Abraços

  • roberto fala:
    May 4th, 2008 at 10:54 pm

    Fernando, o que se tornou o xis dessa questão é o direito a livre expressão de opiniões. Enquanto qualquer assunto for considerado tabu, se impede de ser discutido. Sou contra o aborto e a pena de morte, mas apoio o direito de quem é a favor de se manifestar. A mesma sociedade que impede a discussão sobre a discriminalização da maconha, permite a proaganda (direta e indireta) de álcool e tabaco. Desculpe se te ofendi, te lembrando de xarás teus de má indole, pra compensar lembro de outro Fernando, o Pessoa, que dizia que tudo na vida vale a pena, quando a alma não é pequena. Se pareci ofensivo, é porque a maioria das pessoas “contra” que postaram aqui (com poucas excessões), foram agressivas e ignorantes; então me desculpe porque acredito que o respeito ao próximo é o valor maior da humanidade. Quando você fala que só há penas leves pra o usuário, quer dizer pro filho da classe média/alta, porque a realidade do jovem pobre da periferia é bem diferente: São presos e espancados por qualquer motivo fútil e confundidos com os verdadeiros marginais Em tempo, o termo “maconhista”, apesar de ser um neologismo, não está errado, pois indica alguém que faz uso de. Já o termo “maconheiro” Só deveria ser empregado pra quem trabalha com a maconha (assim como nós, se fossemos cidadãos, deveriamos ser brasilianos e não brasileiros, que indica sermos apenas escravos do sistema capitalista que leva toda nossa riqueza e deixa a miséria, a devastação e a ignorância pra políticos ineptos admistrarem). Fernando, sou contra o tráfico, quero plantar em casa, e não encher o saco de ninguém.

    E não admito que o Estado venha dizer o que é melhor pra mim. De toda forma é muito bom ver tua disposição ao diálogo civilizado. Oxalá os outros “contras” aprendam contigo.

  • Thiago fala:
    May 5th, 2008 at 4:21 pm

    È isso ai Roberto,

    tenho 34 anos e fumo erva desde os 17,

    fumei cigarro dos 17 aos 23 que merda!!!, e sempre fui cervejeiro…

    parei de beber a +- um ano pois 4 latinhas de cerveja já me dava ressaca de cachaça!!!!

    a erva até agora não acuzou os males de que tanto falam ai,

    você vai gostar de assistir um documentário que conheço…,

    RUN FROM THE CURE – The Rick Simpson Story

    video do YOU TUBE – TÁ AI A PROVA QUE O ´´THC“ CURA O CÂNCER

    SÃO 7 PARTES, EM INGLES MAIS MESMO QUEM NÃO SABE É MESMO ASSIM É IMPERDIVEL!!!!