Marcha da Maconha – Brasil 2008 » Blog Archive » Leitores ficam divididos sobre realização da Marcha da Maconha e legalização da droga

0

RIO – As críticas do prefeito Cesar Maia à realização da Marcha da Maconha, que acontece no primeiro fim de semana de maio no Arpoador, trouxeram à tona o velho debate sobre os benefícios e malefícios decorrentes da legalização da droga no país. Quase 800 leitores comentaram a reportagem no GLOBO
ONLINE até o fim da tarde desta quarta-feira. Os internautas se dividiram entre os que vêem a possibilidade de acabar com o tráfico de drogas com uma possível legalização e aqueles que acreditam que o consumo das drogas contribui para o aumento da criminalidade.

O leitor Roberto de Paula afirmou que, “se houvesse um governo com capacidade, inteligência, honestidade e decência no Brasil, esse tipo de coisa não existiria. Quem usa droga é parceiro do crime e deve ser punido com o mesmo rigor que o traficante”.

Já José Fernandes afirma que no dia em que “liberarem as drogas, o preço delas vai cair tanto que ninguém vai querer traficar com produto pouco procurado”.

O internauta Felipe Bottrel considerou que não é o momento para uma passeata pró-maconha: “Há coisas mais importantes a discutir”.

Para o coronel Milton Corrêa, da Polícia Militar, “a marcha em favor da liberação da maconha constitui uma perigosa ameaça à nossa juventude”. Em artigo enviado ao GLOBO ONLINE , o coronel da reserva afirma que a liberação da droga vai permitir a diminuição do estigma social, a redução do preço e o aumento do consumo.

“Liberar a droga significa escancarar, ainda mais, a perigosa porta de entrada para o caminho da destruição, por onde ingressarão mais e mais jovens. O resultado na Holanda não foi dos mais promissores. Cerca de 5 mil dos 25 mil dependentes lá existentes são responsáveis pela metade dos crimes leves. O uso da maconha subiu 400% em razão da liberação”, afirma.

Evento não tem cunho apologético

De acordo com o site da Marcha da Maconha, o evento, que será realizado em dez estados, não tem cunho apologético ou de incentivo ao uso de maconha ou de qualquer outra substância ilícita. Segundo os organizadores, o objetivo do movimento é possibilitar que todos os cidadãos brasileiros possam se manifestar de forma livre e democrática a respeito das políticas e das leis sobre drogas do país.

O prefeito Cesar Maia, no entanto, disse ser radicalmente contra qualquer tipo de legalização de drogas sob qualquer ponto de vista, “seja de saúde publica, seja econômico, seja de desintegração das famílias, seja do lastro que dá à violência”.

No ano passado, o protesto reuniu mais de 250 pessoas, entre usuários e simpatizantes, em Ipanema.

Fonte: Globo ON