Marcha da Maconha – Blog » Marcha da Maconha Guarulhos

0

No dia 27 de maio acontecerá a Marcha da Maconha em Guarulhos. O evento faz parte de uma grande manifestação que acontece em pelo menos outras trinta cidades brasileiras e 500 ao redor do mundo durante o mês de maio, com o objetivo de levantar o debate por mudanças na lei de drogas e pela regulamentação do plantio, comércio e uso da cannabis em todo o território nacional, como alternativa à violência do crime e do Estado, e a intromissão deste, sob condutas privadas dos cidadãos.

A Marcha da Maconha é um movimento social, cultural e político cujo objetivo é questionar a proibição e a decorrente guerra resultante da atual legislação sobre a maconha. Esta guerra inglória atinge de forma mais cruel a população mais pobre, porém toda a sociedade está exposta aos males da situação atual, que em função da proibição da maconha, gera lucro para o crime, generalização da corrupção, atrasos no progresso da medicina, gigantescos gastos para o estado e morte para a população.

Caso o dinheiro usado na atual guerra às drogas, somado aos impostos sobre a maconha legalizada, fosse aplicado em políticas de redução de danos, saúde pública e educação, muitas mortes seriam evitadas.

Portanto legalizar a maconha, não tenha dúvidas, é salvar vidas!

As Marchas da Maconha acontecem em centenas de cidades do mundo a vários anos e tem ganhado força no Brasil, desde que em 2010 após uma catastrófica ação da polícia militar que, com extrema violência, reprimiu a Marcha da Maconha na Avenida Paulista em São Paulo, ganhou espaço na mídia, este debate já vem sendo tratado no Brasil, porém de forma ncipiente e ligado a personalidades que se manifestaram favoráveis a regulamentação da Maconha , a saber: Fernando Gabeira, Gilberto Gil, Plínio de Arruda Sampaio e Fernando Henrique Cardozo, por exemplo.

Este ano pela primeira vez haverá uma Marcha da Maconha também em Guarulhos, para conhecer o calendário completo e atualizado com todas as Marchas da Maconha no Brasil basta acessar o site nacional da Marcha, onde também há uma grande quantidade de informações sobre o tema: http://www.marchadamaconha.org

Além do uso recreativo, há uma quantidade enorme de aplicações para a “Cannabis Sativa”, o de maior significação, a nosso ver, é o uso medicinal, que em muitos países de legislação mais avançada que o Brasil, já salva milhares e milhares de vidas, algumas destas nações são: Canadá, Israel, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Holanda, República Checa, Suíça, Austrália etc.

Conquistada a legalização em nosso país, a população será beneficiada, enfraquecendo o crime organizado e gerando renda no campo e na cidade, pois muitos são os usos da maconha, dentre eles destacamos: Biodiesel, papel, tecidos, calçados, alimentos, argamassa, fibras, bebidas, adubo, energia elétrica, ração, decoração, roupas, cosméticos, artesanato e milhares de outros usos, além é claro, de novos medicamentos e do bom e velho baseado… A experiência internacional em países que mudaram a política de drogas, da guerra para a paz, descriminalizando, legalizando e controlando ao invés de proibir, é praticamente una: O consumo não aumentou, pelo contrário, exemplar é o caso da na Holanda onde a quantidade de jovens que fuma maconha é proporcionalmente a metade da vizinha França, que não avançou nestas questões; a experiência da descriminalização em Portugal, da legalização da Maconha Medicinal em diversos estados estadunidenses, no Canadá e em diversos outros países é determinante para a mudança de postura de diversas instituições acadêmicas, inclusive aqui no Brasil, como por exemplo, a UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo que em 2004 organizou na capital paulista um simpósio médico internacional que se chamou: “Simpósio – Cannabis Sativa L. e substâncias canabinóides em medicina”, Um livro publicado que pelo “CEBRID – Centro brasileiro de informações sobre drogas psicotrópicas” em parceria com a Secretaria Nacional Antidrogas e com Gabinete de segurança institucional é amplamente favorável ao uso médico da Maconha e demonstra cientificamente, apoiado em ampla literatura científica internacional que sim, Maconha é um medicamento e deve ser usado na recuperação e no tratamento de diversas moléstias.

Há disponível para quem se interessar pelo tema, fartas fontes chancelados por especialistas da USP, Harvard, Unifesp, Princeton, Universidade de Madrid, UFRJ, University of Vermont etc. além de Juízes, Professores, Delegados de Polícia, Juristas, Médicos, Psicólogos, Antropólogos, Historiadores, Sociólogos, Escrivães, ex-presidentes dos Estados Unidos, Brasil, México, Suíça, Colômbia, etc. defendendo o fim da guerra e a substituição por uma política de paz, com a maconha legalizada ou descriminalizada e políticas de redução de danos para outras drogas hoje proibidas, personalidades de vulto como o ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio, o Ex-Prefeito de Guarulhos Elói Pietá, Pelé, o humorista Rafinha Bastos, o sociólogo Renato Cinco, o Cantor Gilberto Gil, o Dr. (PhD) Renato Malcher, o Jurista André Barros, o ator Wagner Moura, o antropólogo Sérgio Vidal, o ator Gael Bernal, o Médico Dráuzio Varella, o deputado Marcelo Freixo (PSOL/RJ) e o Deputado Paulo Teixeira (PT/SP) estão entre as centenas de personalidades que se posicionaram favoráveis a uma nova política para as drogas em especial sobre a Maconha além de entidades científicas como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) que é a favorável a retirada, pela ONU, da maconha da lista de substâncias perigosas.